Populista, autoritário, iliberal e majoritário

0
42
Paulo Chaves – Acervo Pessoal

Passados 30 dias do início do ano, o país se depara com um novo Brasil. Será? Esta semana eu li uma frase, que talvez, seja a mais sensata já dita nos últimos anos a respeito da atual conjuntura: “O Brasil saiu de um período de 16 anos de um governo populista, autoritário, iliberal e majoritário, e começou um novo governo populista, autoritário, iliberal, e majoritário. Só mudou Lulismo por Bolsonarismo”. A frase foi dita por Gabriel Azevedo, vereador de Belo Horizonte em entrevista ao site “Eu Sou Livres”. E porque está frase faz tanto sentido, já em 30 dias de um novo governo?

As articulações para que sejam dificultadas as investigações sobre Flávio, o filho do presidente Bolsonaro. COAF sendo silenciado. O presidente que pela manhã caneteia para mudar tal coisa, e ao fim do dia a equipe diz que não caneteou e nada irá mudar. O vice Mourão agilizando a promoção do filho dentro do Banco do Brasil já com poucos dias de governo. Mas que pai nao faria isso pelo filho? Nao é? E digo isso em tom de ironia. Enfim, é a velha política se aproveitando do poder para suas próprias benesses.

Bolsonaro em Davos não trouxe novidades. Quem trouxe mesmo novidades é Paulo Guedes. Sempre ele. A luz no fim do tunel deste governo. Prometendo diminuir o IR para as empresas.

Falando em Econômia brasileira, Lula fez um bom governo? Até certo ponto sim. Porém, é facil fazer quando se usa o dinheiro do contribuinte para fomentar o crescimento econômico, numa matriz keynesiana ampliada, inflando a bolha da dívida pública até o ponto que estoura, e a conta chega. E chega sempre para nós trabalhadores, empresários. Foi assim em todo lugar do mundo em que se tentou implantar um Estado máximo, onde para se sustentar o crescimento com o Governo tentando criar demanda agregada, aumenta-se gastos públicos. Foram-se praticamente 12 anos de “crescimento fictício” na era Lula/Dilma, para em 3 a 4 anos, a Economia do país deteriorizar, a inflação explodir, as pessoas perderam dinheiro, emprego e seus bens.

E tudo isso ocorreu porque aqueles governos majoritários que presidiam o país, pensaram que podiam resolver tudo de forma iliberal, populista, e autoritária.

Bolsonaro fará um bom governo? No aspecto econômico tem tudo para dar certo. O ministro liberal, Paulo Guedes, é o inicio do caminho para um novo Brasil, de um país com um Estado menos pesado para o cidadão, descentralizado,  desburocratizado, com menos tributos, para o empresário que quer investir e empregar, e para o trabalhador. Queira Deus, ele consiga implantar boa parte de suas idéias liberais.

Não precisamos ir muito longe para perceber um gestor agindo como Estado Máximo, com um pensamento ideológico em que se “tira do contribuinte, mas faz”.

O recente aumento do IPTU em nossa Itajaí, é um exemplo. Para realizar obras pela cidade, afirmam, foi necessário. Porém, um gestor não pode pensar em aumentar tributos sem antes cortar gastos desnecessários.  Sem antes enxugar a máquina pública. Monta-se equipes de governo, inchadas por centenas de comissionados, pensando-se sempre na reeleição. Uma hora a conta chega, e quem vai pagar novamente, é o contribuinte, seja ele o empresário ou o trabalhador assalariado.

Qual empresa irá investir em Itajaí com um peso tributário tão grande? E não digo dar incentivos fiscais para grandes empresas apenas. Mas sim para todos os empreendedores, pequenos e médios, que querem gerar emprego e renda na cidade.

Precisamos de mais liberdade de empreender e trabalhar. Que os atuais governos andem por este caminho.

Paulo Chaves
Empreesário, Corretor de Imóveis, 41 anos
E-mail: paulochaves1977@gmail.com

Seu comentário é importante para nós...

Deixe uma resposta